A brutal realidade escondida em The Cove

Os golfinhos são mamíferos notórios por sua aguçada inteligência e amistosa interação com as pessoas. Capazes de se reconhecer no espelho,possuem um poderoso sonar com o qual rastreiam todas as formas de vida no oceano,deslizando com elegância pela imensidão azul.

Todas as características que os tornam tão excepcionais servem de motivação para que os mesmos sejam aprisionados e treinados para exibições em parques aquáticos até o fim de seus dias. O mais curioso é perceber que seu destino em mãos humanas pode ser ainda pior.

O documentário vencedor do Oscar de 2009 mostra uma realidade cruel que acontece em uma enseada na cidade de Taiji, no Japão. Neste local os cetáceos são conduzidos a uma armadilha, onde alguns são capturados para serem vendidos a parques aquáticos espalhados pelo mundo, enquanto o restante é brutalmente retalhado para ser vendido aos supermercados e restaurantes da região.

A película mostra os esforços do ativista Richard O’Barry, que vem há anos lutando pela liberdade destes mamíferos por remorso, pois treinou alguns deles para atuarem no famoso seriado “Flipper”, que terminou sendo responsável pela disseminação do desejo de nadar e brincar com estas amáveis criaturas, o que consequentemente impulsionou a indústria de entretenimento neste setor.

A falsa imagem de que eles estão sempre “sorrindo” contribui para mascarar sua verdadeira condição, já que muitos deles ficam terrivelmente estressados com o alvoroço da multidão por causa de sua sensibilidade sonora, sendo que a maioria deles termina com úlceras terríveis.

O diretor Louie Psihoyos informa como essa chacina (vinte e três mil são mortos por ano) é encoberta pelas autoridades locais, evitando que a mídia internacional e a população da cidade saibam dessa triste realidade. A cidade é cheia de belas ilustrações de baleias e golfinhos, dando a entender que ali seria um lugar onde eles fossem amados.

Vale apontar a falta de envolvimento das grandes fundações ambientalistas nesta questão. A Comissão Internacional Baleeira consegue o apoio de pequenas repúblicas da América Central em troca de pequenos financiamentos e acredita que as mortes dos golfinhos “equilibram a cadeia alimentar marinha, pois comem peixe demais”. Enquanto isso, a Organização para a Preservação dos Oceanos não consegue vislumbrar a gravidade dessa pesca.

A projeção comenta também sobre a periculosidade presente na ingestão de carne dos golfinhos com elevado nível de mercúrio que está sendo distribuída na merenda escolar das escolas municipais.

Um filme que procura sensibilizar a população para uma fatalidade que alguns japoneses insistem em caracterizar como “tradição de seu povo” numa fraca tentativa de justificar tal atrocidade.

Os oceanos foram o berço da vida em nosso planeta e tal pesca indiscriminada é um espelho do retrocesso civilizatório, refletindo a ganância que motiva esse extermínio irresponsável.

Gilson

About Gilson Salomão

Jornalista apaixonado por Cultura Nerd. Escritor e poeta. Nostálgico e sonhador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>