“Estórias Gerais”: Antropologia Sertanista

A literatura brasileira na década de 30 foi marcada por romances regionalistas,ambientados especialmente nos sertões mineiros e nordestinos. As histórias narradas trabalhavam de maneira antropológica a essência dos personagens que viviam nesse ambiente.A aridez do solo em contraste com o verde da vegetação, especialmente as copas dos buritis, espelhava o constraste inscrito em cada comportamento dos mesmos, tentando ao mesmo tempo fazer o que é correto sem tornar-se vulnerável.Como disse Riobaldo no livroGrande Sertão:Veredas: “Sertão é dentro da gente”.

Essa geração conta com grandes escritores como Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz, Jorge Amado, Érico Veríssimo, Mario Palmério, José Lins do Rego e vários outros, narrando trajetórias endurecidas pelo ambiente que os cerca, homens divididos entre a bondade e a vilania. A dicotomia ancestral que permeia a natureza humana recebe o seu xeque-mate em meio a riachos e falésias, flertando com a natureza hostil e testando os seus sobreviventes. “Pois que as ruindade do mundo existe pra engrandecê o bem”.


“Estórias Gerais”, com texto de Wellington Srbek e desenhos de Flávio Colin traz uma série de pequenas narrativas entrelaçadas em quadrinhos que projetam as mesmas características das obras deste movimento literário. O espiritualismo configurando o comportamento das pobres almas nas cidades pequenas e grandes fazendas.Coronéis e jagunços  imersos no imaginário popular, com suas histórias de origem recheadas de mistério. O bem e o mal fundidos e indistinguíveis. Estão presentes todos os traços culturais que mais tarde seriam passados de uma geração para outra, através da tradição oral.


Esse livro vem para reforçar o caráter universal e atemporal desse tema, que embora esteja inserido num contexto bastante específico, dialoga com nossos questionamentos internos, permitindo uma identificação com as figuras humanas e suas tortuosas trajetórias apresentadas, nos convidando a repensar nossas atitudes. Como disse certa vez o poeta chileno Pablo Neruda” somos livres para fazer nossas escolhas, mas somos prisioneiros de suas consequências”.
Gilson

About Gilson Salomão

Jornalista apaixonado por Cultura Nerd. Escritor e poeta. Nostálgico e sonhador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>