O magnitude indescritível de Grande Sertão Veredas

Escrever um ensaio sobre a obra máxima de João Guimarães Rosa é um enorme desafio, tamanha é a sua complexidade. As mais de seiscentas páginas cercadas de neologismos e alegorias trazem uma leitura existencial do sertão mineiro, projetada em certo ponto de maneira universalizada. O protagonista Riobaldo, além de espelhar a essência do jagunço mineiro, projeta todas as paixões e incertezas concernentes ao espírito humano.
Programado inicialmente para ser uma novela pertencente ao livro “Corpo de Baile”, que também foi lançado no ano de 1956, a narrativa em questão acabou crescendo e tornando-se única em todos os sentidos. Aqui o autor faz uma série de experimentações linguísticas, criando um estilo completamente original e inconfundível. A inserção de inúmeras metáforas, saltos temporais e variados pontos de vista proporciona um painel amplamente vasto no sentido geográfico, emocional e psicológico de seus personagens.
Narrada em primeira pessoa a um interlocutor desconhecido, ela acompanha Riobaldo e um grupo de jagunços que segue enfrentando diferenciadas situações de risco que conduzem a diferentes leituras de comportamento dos integrantes do bando. Além dos perigos que estão em toda parte, ele entra em conflito com seus sentimentos em relação a um de seus companheiros, chamado de Diadorim.
A obra ganhou uma adaptação para o cinema em  1965 e televisão como minissérie em 85. Recentemente ganhou uma versão em quadrinhos roteirizada pelo artista plástico e cineasta Eloar Guazzelli, com desenhos de Rodrigo Rosa pela Globo Livros.
Uma história intrigante e tensa, intercalada por momentos de poesia e até mesmo humor, contada com maestria por um dos maiores gênios da Literatura Brasileira.A trajetória de um homem desconstruído pelo misticismo enigmático de um ambiente que o seduz e apavora em instantes duvidosos enquanto belos. Um retrato encantador e visceral da natureza humana miscigenada a uma conjuntura caótica e lírica.
Gilson

About Gilson Salomão

Jornalista apaixonado por Cultura Nerd. Escritor e poeta. Nostálgico e sonhador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>