Textos Cruéis Demais para Serem Lidos Rapidamente

“Só sofro com toda a força do mundo porque amo com a intensidade de um cometa.” Nando Reis
 
Costumo dizer que livros são seres individuais, repletos de energia e personalidade e que a essência deles, curiosamente, pode ser bem diferente daquela que o próprio autor pensou imprimir ao escrevê-lo, pois, depende muito de como cada leitor irá abarcar sua mensagem. De modo geral, todos os livros, de todos os gêneros, têm algo a nos dizer, sendo sua qualidade subjetiva demais para ser mensurada.
 
Nesse sentido, alguns livros nos marcam pela delicadeza de seu conteúdo, outros pela sua carga dramática, assim como Textos Cruéis Demais para Serem Lidos Rapidamente, de Igor Pires e o coletivo TCD, editora Globo (selo Alt), que traz como proposta o abraço empático através de textos carregados de emoção e profundidade.
 
Não se trata, no entanto, de um livro de autoajuda. Os textos são viscerais, transbordam dor e, muitas vezes, melancolia. Mas a proposta é justamente expor o quanto é, geralmente, doloroso viver e, mais ainda, o quanto é necessário expurgar nossos sentimentos.
 
Criada a partir da fanpage homônima que já fazia grande sucesso no Facebook, trata-se de uma coletânea de textos sobre as relações humanas, dividido em quatro capítulos. Suas ilustrações, profundamente tocantes, foram produzidas pela artista plástica Anália Moraes. São em preto e branco e compõem a experiência sensorial, conforme a natureza da obra.
 
O primeiro capítulo, intitulado Pra quando você se esquecer de mim, fala sobre relacionamentos que chegam ao fim, deixando saudades e marcas profundas.
 
 
O segundo capítulo, A memória é uma pele, fala sobre solidão, resignação e amor próprio.
 
 
O terceiro capítulo, Pra você não se esquecer de sentir, é um misto dos temas anteriores.
 
 
O quarto capítulo, A felicidade é uma arma quente, finaliza com reconstruções e recomeços.
 
Enfim, é uma obra para pessoas intensas, para “aqueles que não têm medo ou vergonha de presenciarem o sentimento tomando conta de cada centímetro da pele, das tripas, coração”, como descreve o próprio autor.
 
 
 
 
Sobre o autor
Igor Pires é paulista, formado em Publicidade e Propaganda, e cursa Jornalismo na UFRJ. Mais informações através do Instagram: @heyaigu
 
 
 
Sobre a ilustradora
Anália Moraes nasceu em São Paulo, fez o curso técnico em Comunicação Visual e é graduanda em Artes Plásticas na Escola Panamericana de Arte e Design. É co-fundadora e artista residente da Casa Dobra. Mais informações através do Instagram: @moraes_a
 
 
 
Sobre o coletivo TCD
A TCD é um coletivo formado por pessoas de diversas áreas, comprometidas com trabalhos autorais que abordam temas cotidianos, incluindo experiências pessoais e relatos extremamente íntimos e complexos. Mais informações:
 
 
 
Trecho do Livro
“eu sei que doeu em você
porque eu fui a única pessoa
que olhou dentro do seu olho
e pediu calma.
 
porque todas as outras
pessoas passaram por você e
pediram pressa.”
 
 
 
Curiosidades
– Em todo o livro, com exceção dos textos que delimitam os capítulos, nenhuma frase se inicia com a letra maiúscula;
– A ilustradora Anália Moraes também é ceramista;
– TCD foi o livro nacional de não ficção mais vendido em 2018.
 
 
Fontes
– Informações contidas no próprio livro.